Projetos Intencionais

Está aberto a pessoas ou organizações com uma grande ideia ou projeto em fase inicial com menos de 1 ano.

Este prêmio é para indivíduos, comunidades, empresas aspirantes ou grupos e organizações recém fundadas para ajudá-las a estabelecer uma base de crescimento sólida.

Esperamos que este dinheiro seja usado para troca de conhecimento, treinamento e desenvolvimento estratégico.

Estamos também abertos a sugestões que ajudarão a transformar uma ideia em realidade.

Existem pelo menos quatro prémios nesta categoria, sendo cada um atribuído até 10,000 libras. Nossa meta é premiar pelo menos um projeto de pequena escala nesta categoria.

Os premiados serão anunciados em Maio.


Projetos de lista curta para o prêmio de 2023

Acampamento Regenerativo Taniala

A organização Taniala deriva o seu nome de duas palavras malgaxes: “Tany” que significa tanto “terra” como “solo”; e “Ala” que significa “floresta”.

O projeto The Taniala Regenerative Camp (Campo Regenerativo) promove práticas regenerativas para o uso da terra em Madagáscar que são localmente adaptadas, acessíveis e sustentáveis. O seu objetivo é apoiar a floresta a regenerar através de técnicas de agricultura sustentável, e legar solo vivo às gerações futuras de Madagáscar.

O primeiro Campo Regenerativo foi criado em Janeiro de 2022 em Lambokely, uma aldeia onde vivem migrantes fugidos da fome e da seca. A comunidade local depende da agricultura, incluindo o cultivo de milho, mandioca e amendoim. O cultivo de milho “cortado e queimado” durante três anos é neste momento a técnica agrícola preferida, sendo depois disso desbravadas outras parcelas de floresta. Como consequência destas práticas insustentáveis, apenas 56% da área florestal permanece intacta nos dias de hoje.
O objetivo de Taniala é o de criar mais Acampamentos Regenerativos para promover práticas mais sustentáveis em outros locais.

As próximas etapas do projeto incluem:

  • Envolver a comunidade local no desenvolvimento do modelo do sistema agro-florestal, aproveitando o conhecimento das espécies locais e incorporando as necessidades da população local
  • Formar as comunidades locais como “agricultores florestais” para que possam partilhar técnicas com os seus colegas (formação de 50 agricultores nos próximos 5 anos)
  • Construção das infra-estruturas básicas necessárias para os campos regenerativos
  • Testar ou melhorar as melhores práticas e/ou itinerários técnicos
  • Conceber estratégias para o desenvolvimento de capacidades e promoção de técnicas
  • Nos próximos 5 anos, os campos regenerativos serão instalados em várias aldeias da região de Menabe
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Acampamento Regenerativo Taniala

Informação sobre o projeto

Associação de Moradores do Rio Almansor (AMORA)

O objetivo da AMORA é regenerar o rio local, para que o seu povo possa voltar a nadar nele!

Há 30 anos atrás, as pessoas nadavam e pescavam nele e as crianças podiam brincar perto da água e da Natureza. Hoje em dia, a cor do rio é preta, o seu cheiro desagradável, os peixes desapareceram e a qualidade da água é constantemente classificada como de “má qualidade”.

No ano passado, um sistema de esgotos rebentou na cidade portuguesa de Montemor-O-Novo. Confrontada com mais uma devastação do rio, a comunidade local começou a organizar e a pressionar ativamente para que o rio fosse limpo – atuando tanto a partir de abordagens práticas como políticas.

Cerca de 40 pessoas, das quais muitas vivem nas margens, reuniram-se para começar a estabelecer novas formas de gestão coletiva de terras através de uma democracia deliberativa e horizontal. Eles acreditam que só através de práticas regenerativas sociais e ecológicas será possível regenerar o rio e tudo o que ele representa.

A AMORA pretende:

  • Mapear pontos de poluição e agir sobre eles
  • Limpar e regenerar o rio
  • Participar em consultas públicas e organizar reuniões públicas
  • Angariar fundos para regenerar cursos de água em toda a bacia, assegurando o acesso a ferramentas coletivas, a um viveiro de árvores e a uma biblioteca temática
  • Pressionar os políticos locais para fazer desta questão uma prioridade
  • Partilhar amplamente práticas, estratégias e documentos que ajudam e inspiram outros movimentos fluviais de protecção dos cidadãos por todo o país – agir a nível local, agitar a nível global!
  • O projeto já alcançou alguns sucessos – a população e os políticos locais uniram-se ao movimento, levando à criação de um conselho ambiental municipal – o primeiro de sempre na cidade.

Em cinco anos, o projeto AMORA deseja que se possa nadar novamente no rio – e inspirar outros a fazer o mesmo!

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Associação de Moradores do Rio Almansor (AMORA)

Informação sobre o projeto

Beejvan

Beejvan é uma iniciativa comunitária liderada por agricultores na aldeia tribal de Khanand, em Karjat, Maharashtra, Índia. Beej significa Semente; Van significa Floresta. As sementes são representativas da vida; e florestas de espaços que alimentam e ajudam a vida a prosperar.

Como comunidade agrícola, Beejvan pretende promover as três ideias e princípios básicos da permacultura (cuidado do ambiente, cuidado das pessoas, partilha equitativa) através dos seus projectos de conservação de sementes, regeneração e subsistência, a fim de garantir a segurança alimentar e nutricional. Os Thakars, uma tribo que vive em Karjat, praticam medicina botânica e medicina tradicional. Khanand tem 100 lares e uma população de 500 pessoas. Somos pequenos agricultores marginalizados que cultivam nas colinas e nos leitos dos rios e que dependem de pequenos produtos florestais para a nossa subsistência. Durante as duas últimas décadas, o impulso para a urbanização tem vindo à custa da perda da nossa sabedoria tradicional e do nosso património cultural. Isto levou a um ciclo infinito de pobreza.
Os fundadores de Beejvan regressaram a Karjat após duas décadas e viram as práticas agrícolas modernas e a desflorestação levarem ao esgotamento dos solos e ao fracasso das culturas do lugar que amavam quando eram crianças, e assim surgiu a ideia de Beejvan.
A visão de Beejvans consiste em reavivar a prática da agricultura de árvores, poupança de sementes, múltiplos meios de subsistência, garantindo alimentos/nutrição para o agricultor. Visa criar soluções locais e escaláveis para transformar as aldeias em focos de biodiversidade e responder à crise climática de formas viáveis, ao mesmo tempo que aborda a saúde e as desigualdades a nível local. Beejvan pretende construir o primeiro viveiro comunitário até 2024, e um banco de sementes de espécies nativas até 2025.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Beejvan

Informação sobre o projeto

Colaboração Vanaspati Bhasha

A iniciativa colaborativa Vanaspati Bhasha trabalha com comunidades tribais em Maharashtra, Índia.

Ao trabalhar com comunidades tribais em Maharashtra, Índia, a colaboração foi atingida pela perda de fé que as comunidades tinham nas tradições de conservação indígenas. O sistema educativo convencional não ensina sobre ecologia local e formas de conservação da floresta. Para os estudantes tribais existe uma desconexão entre o que aprendem e os seus contextos. O estilo de vida tradicional que assegurava a equidade dos recursos e a conservação está agora a começar a sofrer uma ruptura.

A iniciativa espera restabelecer o orgulho na comunidade em relação aos seus sistemas de conhecimento. Vanaspati Bhasha acredita que as práticas de conservação centradas na comunidade são a única forma de mitigar as perdas ambientais e culturais das paisagens indígenas nativas. Utilizam processos participativos que se centram na força das comunidades para conservar as ecologias locais com os seus sistemas tradicionais de conhecimento, fazendo das comunidades os principais interessados no esforço de conservação.

Vanaspati Bhasha pretende:

  • Trabalhar com a comunidade tribal para a ajudar a documentar e preservar o vasto conhecimento indígena sobre alimentos selvagens, plantas medicinais nativas, colheita sustentável dos recursos selvagens, conservação das ecologias e fabrico de produtos de uso diário com produtos florestais.
  • Documentar tudo nos idiomas locais, que tal como as ecologias a elas associadas, também estão a enfrentar a extinção.
  • Produzir materiais educativos para crianças em escolas tribais e urbanas. Os livros criados procurarão retratar o conhecimento nativo através de narrativas e ilustrações.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Colaboração Vanaspati Bhasha

Informação sobre o projeto

Fazenda Agroecológica La Finca

La Finca Agro-Ecology farm foi fundada em Marrocos em 2021.

A pandemia do coronavírus tornou urgente e necessária a produção local de alimentos, e La Finca surgiu com o objectivo de alcançar a soberania alimentar. A quinta tem como objectivo mostrar um modelo de agricultura resiliente que seja ambientalmente saudável, economicamente viável e facilmente replicável dentro da comunidade. Isto ajuda a ultrapassar as questões da água, do solo e da pobreza em África.

A sua visão da agricultura regenerativa privilegia a restauração do solo, gestão da água, controlo da erosão, concepção de sistemas completos, soberania das sementes, permacultura, formação e desenvolvimento de capacidades.

A visão de La Finca está prestes a realizar-se:

  • O grupo já plantou mais de mil árvores e centenas de espécies diferentes de plantas perenes para sustentar o solo, criar sombra, sequestrar carbono e fornecer fruta, ervas medicinais, vegetais, forragens e biomassa.
  • Renovaram a casa existente na quinta e tornaram-na mais sustentável, criando um ciclo fechado da água através da reciclagem da água cinzenta e preta numa zona húmida de tratamento de águas residuais. A água da chuva é colhida dos edifícios da quinta, e utilizada para irrigação.
  • Produziram 40 toneladas de composto utilizando estrume e biomassa locais para o cultivo de vegetais densos em nutrientes e árvores saudáveis. Estão a mapear a flora endémica local, e a recolher da comunidade conhecimentos antigos sobre os seus usos, para a salvaguardar e incluir na alimentação e medicina.
  • La Finca também guarda sementes e obtém sementes de património resistentes à seca de todo o Marrocos.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Fazenda Agroecológica La Finca

Informação sobre o projeto

  • French, English
  • aida.bennouna89@gmail.com
  • Lieu dit Ain Sfa 4 Cercle Tifelt Ait Ali Ou Lahcen Tlat Dkaik, Commune Ait Malek, Morocco

Fundo Abraço

O Fundo Abraço é um projeto de São Paulo, Brasil. Este trabalha em três bairros: Vila Anglo, Jaraguá e Luz.

A cidade de São Paulo é uma das maiores e mais desiguais do mundo. Sofre de uma série de problemas sócio-ambientais que afetam especialmente as famílias de baixos rendimentos. A Vila Anglo é caracterizada como uma “bolsa de pobreza” no meio de habitações mais ricas. Os problemas incluem desemprego, fome, crime organizado, e despejos porque as famílias não conseguem pagar as contas e o aluguer. Os bairros Jaraguá e Luz enfrentam problemas semelhantes, com uma taxa de desemprego significativa e baixos rendimentos.

Fundo Abraço’s fundo de solidariedade e o nosso trabalho em geral procura reduzir o custo de vida, a desigualdade e melhorar a segurança alimentar das famílias de baixos rendimentos. Distribuímos equipamentos como o ‘Fogão de Caixa’, uma panela de retenção de calor, e fogões solares. Estes podem reduzir a utilização de gás de cozinha em até 75% – poupando dinheiro e combustíveis fósseis.

O nosso trabalho é centrado na solidaridade, pelo que convidamos as famílias beneficiárias a contribuir com uma fracção da poupança feita com o nosso equipamento, para que possamos distribuir mais equipamento gratuitamente e partilhar coletivamente os seus benefícios.

No futuro, o nosso objetivo é trabalhar com uma maior variedade de tecnologias que possam:

  • Gerar energia solar
  • Capturar e tratar águas cinzentas e águas pluviais para reutilização
  • Aquecer água
  • Cultivar alimentos.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Fundo Abraço

Informação sobre o projeto

Mycorama

A ideia do projecto Mycorama surgiu numa reunião do grupo comunitário no ‘Re-Green Permaculture Farm and EcoCulture Centre’ em Seliána, Grécia. Os membros da comunidade tinham se reunido para debater formas de apoiar a soberania alimentar e diversificar as fontes de rendimento.

O trabalho do projeto centra-se “no potencial infinito dos fungi para restaurar os nossos sistemas terrestres danificados, reduzir o sofrimento animal e apoiar a saúde humana”. O projeto considera os cogumelos como recicladores de nutrientes do nosso planeta, que têm muito a ensinar-nos sobre regeneração e sobre como viver de maneira cíclica.

O projeto começou com o cultivo de pleurotos e cogumelos shiitake em troncos, e logo se expandiu para as variedades Lion’s Mane (Cogumelo juba de leão) e Reishi. O projeto consiste em explorar as oportunidades que o micélio oferece para degradar as pontas de cigarro de plástico (um grande problema de poluição na área local). Assim como tem explorado formas de criar produtos regenerativos, totalmente circulares a partir do Reishi – até agora, foi feito um protótipo de abajur.

O projeto Mycorama planeia:

  • Ter um laboratório micológico com o equipamento de inoculação e cultivo adequado (no espaço de um ano).
  • Investir na formação e partilha de conhecimentos com outros cientistas cidadãos na área e fazer crescer a cultura e indústria de fungi na Grécia.”
  • Explorar a fundo as possibilidades de circularidade total através da utilização de micélio.
  • Explorar oportunidades para a concepção de produtos de quotidiano com micélio que possam substituir o plástico, cuja produção intensiva derivada em combustíveis fósseis é atualmente norma na Grécia.
  • Refletir sobre o potencial dos cogumelos como alternativas à carne na Grécia, onde o consumo de carne per capita é o 5º maior do mundo.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Mycorama

Informação sobre o projeto

Nourish All

A organização Nourish All está sediada no Havai mas trabalha a nível global, com especial incidência no campo de refugiados de Rwamwanja, no oeste do Uganda.

O trabalho da organização está enraizado nos princípios da permacultura, dos cuidados com as pessoas, com a terra, e partilha justa. A sua visão orientadora é sustentada, resiliente, com comunidades interligadas e tornada possível através do poder dos alimentos. A sua última iniciativa ‘Change the Paradigm’ procura transformar a forma como o conhecimento é partilhado, construindo ao mesmo tempo segurança alimentar e meios de subsistência para os refugiados.

Através da sua colaboração com os permacultores e ativistas locais, Nourish All reconheceu a necessidade e oportunidade de produtos alimentares secos em Ruamwanja, juntamente com a oportunidade de difundir conhecimentos. Procura desenvolver um projeto que eleva os líderes de refugiados, demonstra o que é possível com recursos limitados, e muda a nossa perspectiva coletiva sobre quem consideramos especialistas.

Como tal, Nourish All tem como objetivo:

  • Desenvolver uma gama de produtos alimentares secos ao sol, de valor acrescentado e propriedade dos refugiados
  • Construir uma plataforma educacional online

A linha de produtos alimentares secos começará por estabelecer uma cooperativa, que vende produtos naturalmente secos como cogumelos e jacas.

A plataforma online irá destacar educadores e profissionais do Sul, em ambientes com poucos recursos e frequentemente negligenciados, tais como campos de refugiados, e ajudará a espalhar a sua sabedoria ao Norte. Abordará a permacultura e o cultivo de alimentos, mas especializar-se-á na formação em produtos secos ao sol de valor acrescentado. Começará por partilhar formações de Bemeriki da Rwamwanja Rural Foundation, um permacultor residente refugiado.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Nourish All

Informação sobre o projeto

Organização de Recursos GreenShoots

GreenShoots é uma organização com sede no Camboja lançada em Março de 2021.

GreenShoots tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável através de programas holísticos que combinam o desenvolvimento económico com a alimentação e a agricultura. Os seus principais objetivos são:

  • Desenvolver a capacidade dos jovens e da comunidade local
  • Criar paisagens resilientes
  • Ir à raiz dos problemas através de inquéritos e consultas ativas na comunidade.
  • Um problema chave que a comunidade enfrenta agora é a perda de biodiversidade.

Com a sua abundante flora tropical, o Camboja é um centro de biodiversidade no Sudeste Asiático. As plantas selvagens nativas da região desempenham muitos papéis essenciais na vida quotidiana no Camboja, como alimento, medicina, ou por vezes até como refúgio para os espíritos. No entanto, a documentação destas plantas é limitada, devido às consequências destrutivas do regime dos Khmers Rouge, durante o qual foram assassinados botânicos e incendiadas bibliotecas inteiras. Além disso, devido às alterações climáticas, é possível que até 40% desta flora possa ficar extinta até ao final do século.

A organização GreenShoots, e os seus colaboradores, querem resolver este problema através da criação de uma base de dados online de alimentos selvagens e medicinais locais, o que lhes permitiria:

  • A recolha e consolidação da informação existente sobre como a flora indígena está a ser utilizada na cozinha khmer, e nas práticas da medicina tradicional e popular.
  • Transformar os dados numa série contínua de estudos digitais interativos de acesso livre nos idiomas de Khmer, francês, e inglês.
  • Criar uma biblioteca viva no Centro GreenShoots AgriTech (um centro de demonstração de permacultura de 0,5 hectares no Noroeste do Camboja) para complementar a base de dados online.

Este projeto é realizado em parceria com a Dra. Ashley Dam cuja pesquisa de doutoramento se centrou na Medicina Tradicional de Khmer. Daqui a cinco anos esperam que o protótipo da base de dados proposta seja povoado por contribuições da diáspora Khmer, chefes de cozinha, botânicos e antropólogos.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Organização de Recursos GreenShoots

Informação sobre o projeto

Projeto do Grupo de Agricultores Indígenas Batwa Sesaka

O Projeto Sesaka Indigenous Batwa Farmers Group é uma comunidade indígena composta por mais de 120 famílias no Burundi, que vivem da fabricação de potes e da agricultura.

Os Batwa são um grupo étnico marginalizado, estimado em 1% da população do Burundi. São considerados por alguns como a classe social mais baixa do Burundi, e a comunidade enfrenta muitos desafios financeiros.

Este projeto foi iniciado para capacitar os agricultores indígenas Batwa Sesaka, com o objetivo de oferecer formação a estes agricultores indígenas através da Conservation Agriculture. Espera-se que esta formação possa apoiar a comunidade na construção de explorações agrícolas e meios de subsistência mais resilientes.

A formação abrangerá uma vasta gama de técnicas de baixo consumo, incluindo:

  • Perturbação mínima e cobertura máxima do solo
  • Mulching
  • Rotação de culturas
  • Fabrico e utilização de fertilizantes orgânicos (estrume de galinha, composto, chá de compostagem e vermicomposto)
  • Remédios caseiros para controlo de pragas.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Projeto do Grupo de Agricultores Indígenas Batwa Sesaka

Informação sobre o projeto

Ressurreição de Kutumba com os Kondhs

Esta é uma iniciativa comunitária é facilitada por Debasmita Ghosh e Jagannath Majhi e liderada pelos Kondhs – um grupo de comunidades indígenas residentes em Odisha, Índia.

A sua vida e subsistência estão interligadas com a terra, a floresta, a alimentação, a medicina, o abrigo que integra as suas normas socioculturais, a religião e a espiritualidade. Uma cosmovisão ecocêntrica que envolve a maior parte da comunidade, e em nenhum momento a relação com a floresta se tornou exploratória ou extractiva. A sua Kutumb (comunidade da aldeia) inclui não só pessoas, mas também florestas, solo,
água, e animais. As decisões sobre planos de cultivo, alimentos ou casas são tomadas com uma consciência ecológica ativa.

No entanto, está a ocorrer uma transição rápida, ameaçando o próprio ecossistema que a Kondh chama de lar. Os sinais incluem a chegada de mercados convencionais e uma economia de dinheiro; sobre-exploração de plantas alimentares florestais; mudanças no consumo agrícola; migração para o trabalho, levando a uma divisão geracional que se manifesta em problemas de saúde mental; o surgimento de novos problemas de saúde; e um declínio na resiliência coletiva da comunidade, acompanhando o colapso das formas locais de auto-governação

Debasmita tem trabalhado com a comunidade para resistir a esta transição. A resistência é crucial mas não suficiente, e por isso procura desenvolver narrativas de autoconfiança e autogovernação.

O cerne da questão reside nos Kutumbs autogovernados, participativos e não burocráticos, onde todas as questões que afectam aspectos da vida de Kondh são discutidas. Enraizado na sustentabilidade comunitária, o Kutumba vai conscientemente contra o grão das práticas predominantemente capitalistas, demonstrando práticas contemporâneas de uma sociedade com estilo de vida alternativo.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Ressurreição de Kutumba com os Kondhs

Informação sobre o projeto

SGGIMA

A SGGIMA é uma organização sediada na Serra Leoa.

A SGGIMA pretende acabar com a fome e as inseguranças alimentares na Serra Leoa através da construção do mercado alimentar justo do país. Ao concentrar-se na agricultura sustentável, processamento de alimentos e formação de agricultores, procura aumentar a produção agrícola doméstica com o objectivo de cultivar 50% dos alimentos consumidos na Serra Leoa por agricultores rurais até 2027.

O seu trabalho consiste em duas partes.

Primeiro, a SGGIMA irá:

  • Cultivar uma variedade de plantas para fins comerciais, reflorestação ou sombra
  • Adquirir produtos agrícolas que tenham um prazo de validade curto, para que os pequenos agricultores rurais possam processar, secar ou aumentar o seu prazo de validade
  • Estas iniciativas reduzirão o custo dos alimentos ou da importação, e darão a muitas pessoas acesso a alimentos nutritivos, acessíveis e produzidos localmente.

Em segundo lugar, SGGIMA acredita no princípio de “Onde o cuidado encontra a sustentabilidade” e, portanto, visa os seguintes objetivos:

  • Reinvestir uma parte dos lucros no desenvolvimento de uma variedade de infra-estruturas comunitárias na Serra Leoa, incluindo a educação, a saúde e os sistemas de abastecimento de água
  • Permitir o estabelecimento de programas agrícolas geridos pela comunidade, nos quais se espera que cada agricultor formado forme outros quatro agricultores em competências que melhorem os rendimentos, para que possam fazer parte das cadeias de abastecimento da SGGIMA.
  • Durante os próximos cinco anos, começando com 500 agricultores, mais de 128.000 serão formados na Serra Leoa e países vizinhos como a Libéria, Guiné e Mali.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: SGGIMA

Informação sobre o projeto

Tātānaki

Tātānaki é uma organização comunitária, bem como um projeto dedicado à mobilidade climática, cultural e relacional das pessoas que vivem em ilhas do Pacífico.

A erupção vulcânica Hunga Ha’apai-Hunga Tonga, em Janeiro de 2022, esteve entre as maiores erupções registadas na história. Mais de 80% da população de Tongan foi afetada pelo tsunami subsequente e por uma manta de cinzas – centenas de casas foram destruídas e severamente danificadas. Existem e são urgentemente necessárias no Pacífico habitações sustentáveis, económicas e resistentes ao clima.

Tātānaki procura responder a esta necessidade de habitação com um melhor acesso e educação para opções acessíveis e seguras do ponto de vista climático. Esta colaboração entre detentores de conhecimentos tradicionais e uma intervenção de construção circular e de carbono negativo resultará na entrega de 3 casas com designs colaborativos, troca de conhecimentos entre pares online e offline, e uma plataforma centrada em convidar mais soluções regenerativas em regiões remotas.

Estamos a trabalhar para o objectivo de construir casas circulares, carbono-negativas e transportáveis (dentro do território, entre diferentes ilhas, e mesmo no estrangeiro) no Reino de Tonga. Conseguiremos isto através da concepção em colaboração com um parceiro técnico que tem um historial comprovado com estudos de casos na Holanda, Uganda e Moçambique.

Um programa piloto proposto com pelo menos 3 casas irá expandir o acesso integrado a habitações culturalmente apropriadas no Reino de Tonga e no Pacífico.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Tātānaki

Informação sobre o projeto

teKio

O projeto teKio está sediado no sul do México, no distrito de Cuxtitali, San Cristóbal de Las Casas, e em Chiapas. Surgiu em 2022, depois de a comunidade ter expressado sentimentos de isolamento e incapacidade de concretizar projetos urgentes ou pretendidos.

O projeto teKio dedica-se à criação e promoção de “redes para servir os objetivos da vida diária”. Isto inclui redes locais de pessoas e organizações que desejam trabalhar em conjunto para alcançar um impacto rápido, tangível e sustentável nos seus bairros. Desta forma, promove-se a autonomia e melhoram-se as condições de vida da população mais vulnerável das comunidades e dos bairros da classe trabalhadora.

As dificuldades sociais características de Chiapas estão presentes dentro do distrito de Cuxtitali. Um distrito marcado pelas desigualdades estruturais históricas: baixos salários, baixa escolaridade, insegurança, exploração do seu povo e dos seus recursos, abandono institucional e presença de grupos narcotraficantes.

O Parque Ecológico de Cuxtitali é um espaço verde comunitário atualmente em estado de abandono. Está exposto ao consumo de drogas e álcool e está em risco de ser invadido por grupos criminosos que subjugaram a cidade. teKio quer defender e regenerar o parque com estruturas e actividades para o desporto, agroecologia, educação e lazer.

Nos próximos cinco anos, teKio vê o parque como um local transformado no qual:

  • São implementadas infra-estruturas que promovem a participação coletiva
  • A economia local prospera, com pequenos mercados onde as famílias podem vender produtos agroecológicos e artesanais
  • As atividades são proporcionadas pela própria comunidade, tais como: oficinas de agroecologia, cursos de desporto, teatro e dança, exibições de filmes, e jogos para crianças.
  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: teKio

Informação sobre o projeto

  • Spanish, English
  • asociaciontekio@gmail.com
  • Callejón del Romerillo Mirasol 2 San Cristóbal de Las Casas Chiapas 29230 Mexico

Voedselpark Amsterdam

Stichting Grond van Bestaan é uma associação registada e uma iniciativa de cidadãos com sede em Amesterdão, cujo objetivo é proteger as últimas terras férteis e criar o “Voedselpark Amsterdam” (um parque alimentar em Amesterdão).

“Lutkemeer” (que significa “pequeno lago”) é uma área agrícola de 43 hectares na fronteira ocidental de Asmterdão, e o último pedaço de terra fértil da cidade. Infelizmente, esta valiosa terra histórica e biológica está em perigo. Os projetos locais estão a planear transformar o terreno num parque industrial ocupado por armazéns de distribuição massiva. O projeto Voedselpark Amsterdam simboliza o desejo das pessoas de viverem numa cidade que inclui a natureza, e de se oporem à economia globalizada e intensiva em combustíveis fósseis. Voedselpark Amsterdam salvaria esta terra e utilizá-la-ia como um laboratório ecológico vivo para uso comum e para negócios ecológicos.

Este parque não só fornecerá alimentos saudáveis a preços acessíveis, mas também inspirará e demonstrará a importância da transição alimentar regenerativa urbana. O Voedselpark Amsterdam quer ativar os cidadãos para converter lugares na cidade e no campo em “áreas comuns” locais onde as formas regenerativas de agricultura podem ter lugar. Ao mesmo tempo, criar um lugar para as pessoas recriarem e aprenderem sobre agricultura, sustentabilidade e biodiversidade e trabalharem no sentido de uma economia verde, inclusiva e regenerativa.

  • 2023
  • Intentional Projects
Photo: Voedselpark Amsterdam

Informação sobre o projeto