Projetos Intencionais

Está aberto a pessoas ou organizações com uma grande ideia ou projeto em fase inicial com menos de 1 ano.

Este prêmio é para indivíduos, comunidades, empresas aspirantes ou grupos e organizações recém fundadas para ajudá-las a estabelecer uma base de crescimento sólida.

Esperamos que este dinheiro seja usado para troca de conhecimento, treinamento e desenvolvimento estratégico.

Estamos também abertos a sugestões que ajudarão a transformar uma ideia em realidade.


Vencedores do prêmio para 2021

Em 2021 há quatro premiados, dividindo um fundo de premiação de £40.000.

Abaixo estão os vencedores e outros projetos pré-selecionados.

Vencedores

Fundación Cuidemos Paraísos

A Fundación Cuidemos Paraísos é uma organização, constituída por jovens determinados a trabalhar em equilíbrio com a natureza, que se esforçam por colaborar ativamente na recuperação das florestas nativas, através da sensibilização da sabedoria natural e cultural intrínseca de um território.

De todos os projetos de reflorestação que existem, apenas 30% são bem sucedidos. Este é um dos problemas que procuram resolver de forma inovadora e criativa.

Empenhados na colaboração interdisciplinar para a regeneração do ecossistema da Terra, a fundação propõe integrar projetos ecológicos, educativos, de investigação, e criar um Método inovador de Regeneração de Florestas Nativas, que ajuda a ativar e fortalecer novos pontos de biodiversidade.

A sua visão é criar novos pontos resilientes e prósperos (chamados Green Spots, em português: pontos verdes), e unir forças com outros projetos para proteger as florestas nativas do mundo, juntamente com as comunidades nativas. Tudo isto através do desenvolvimento do seu projeto Green Spot: Regener-Active Global Culture, que consiste em quatro fases:
1. Construção filosófica e conceptual do Movimento Eco-social Green Spot.
2. A criação do Método de Regeneração Green Spot.
3. A criação do Manual Didático do Green Spot.
4. A criação de um Plataforma Digital – Mapeamento global dos Green Spots

Ambicionam a criação de uma Rede Global de Green Spots: um movimento forte e resiliente que apoia a interligação de pontos resilientes com pontos verdes (novos locais de biodiversidade) através de circuitos biológicos ligados globalmente.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Fundación Cuidemos Paraísos

Informação sobre o projeto

Vencedores

PermaQueer

O PermaQueer foca-se na resiliência da comunidade em consonância com a resiliência ambiental. Estabelecidos em Março de 2020 quando a Covid atingiu Naarm, Austrália, os fundadores Toad e Guy aperceberam-se da resiliência no seu local de transição de Permacultura e notaram que os amigos LGBTQIA e BIPOC sofriam com as soluções de vida contemporâneas.

Perceberam o poder de estar integrados em redes alimentares, e sistemas que se baseiam na troca comunitária e na economia e bem-estar social.

PermaQueer começaram introduções online à Permacultura para amigos, que se espalharam entre a comunidade queer como fogo selvagem. Oferecem cursos gratuitos e pagos consoante o desejo pessoal de cada um, que ensinam fundamentos ecológicos, permacultura, justiça social, descolonização, trauma e sistemas informados neurodivergentes com base na construção da resiliência da comunidade a nível global. Além disso, realizaram um seminário TEDx de 3 dias.

A sua educação comunitária desencaixa sistemas de consumismo, supremacia branca e binários coloniais para reestruturar os sistemas comunitários de resiliência. Estão a colaborar numa célula descolonizante e de reindigenização para o movimento de permacultura global com @LiberationPermaculture.

A PermaQueer está neste momento a trabalhar com parceiros internacionais para desenvolver formas justas e resilientes de se relacionarem de forma ecologicamente informada. Eles esperam manifestar estes sistemas em aldeias de co-habitação, sistemas alimentares, formação de competências culturais e programas de recuperação regenerativa.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: PermaQueer

Informação sobre o projeto

Vencedores

Sacha Kuyrana Maltakuna – Young Kichwa Defenders of the Forest

Sachawaysa, Equador, situa-se num bonito local montanhoso, onde a floresta amazónica encontra o sopé dos Andes a 900 metros de altitude.

A comunidade organizou-se para trabalhar de forma honesta, proativa e transparente para regenerar a cultura Kichwa, e as florestas, que foram quase destruídas pelo povo espanhol na região, o que trouxe atitudes e atos hostis para com o povo Kichwa, os seus costumes e as florestas tropicais regionais.

Sacha Kuyrana Maltakuna – Young Kichwa Defenders of the Forest planeiam comprar uma propriedade de um hectare, construir um escritório simples com materiais locais, e mapear, desenhar, e plantar um jardim familiar ancestral com dezenas de frutos, nozes, palmeiras, medicinais, e árvores, incluindo espécies tradicionais que ajudam a melhorar os solos, e plantas e fungos de ciclo curto, tais como cogumelos comestíveis recolhidos na floresta.

Vão desenvolver um livro de receitas Kichwa vegetarianas online, repleto de comida e receitas tradicionais, para partilhar com os jovens da região.

Os jovens vão organizar e participar em projetos, e vão pedir conselhos aos seus avós (anciãos) sobre valores, sobre projetos e sobre como alargar com sucesso o seu trabalho em benefício das comunidades circundantes.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Sacha Kuyrana Maltakuna –  Young Kichwa Defenders of the Forest

Informação sobre o projeto

Vencedores

The Mount Oku Centre for Gender and Socioeconomic Empowerment (MOCGSE)

Nos últimos quatro anos, a Comunidade do Monte Oku nas Terras Altas de Bamenda, na República dos Camarões, sofreu graves dificuldades socioeconómicas devido à intensificação de um conflito civil armado e, mais recentemente, à COVID-19.

A comunidade dependia anteriormente da agricultura, ecoturismo e outras atividades, mas devido à crise muitas atividades na comunidade – como a regeneração da floresta e a plantação para abelhas – foram interrompidas.

O Mount Oku Centre for Gender and Socioeconomic Empowerment (MOCGSE) foi iniciado por mulheres com o intuito de empoderar mulheres e meninas de forma a garantir a sustentabilidade económica, social e ambiental da comunidade Oku, potenciando os seus conhecimentos e competências.

O centro servirá como plataforma para comercializar alimentos e artigos domésticos produzidos localmente por mulheres, bem como para serviços de auto-ajuda sobre microfinanças. As atividades-chave vão envolver atividades de formação e investimentos comunitários tais como a apicultura, regeneração florestal e processamento de plantas medicinais. Dentro de cinco anos irá tornar-se uma cooperativa registada de mulheres.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: The Mount Oku Centre for Gender and Socioeconomic Empowerment (MOCGSE)

Informação sobre o projeto

  • English
  • Elak-Oku, Bui Division, North West Region, Cameroon Elak-Oku North West Region Oku Cameroon


Also short-listed

ARD Agriculture and Research Development

ARD Agriculture and Research Development é uma empresa agrícola dedicada à promoção da Agricultura Regenerativa e Consciência Ecológica na Jordânia, fundada em 2020.

O projeto começou com a concepção de um modelo rentável de Agricultura Regenerativa na exploração agrícola, pelo que se apresenta como um modelo na Jordânia. Além disso, criaram um centro destinado a organizar atividades (workshops, formação e residências) para envolver a comunidade. O local fornece alojamento, ferramentas e equipamento, e eles querem colaborar com os locais, universidades, institutos de investigação e centros culturais e promover a cooperação intersectorial para se posicionarem como um centro de incubação para projetos verdes locais.

A ARD quer recolher os dados durante o processo e construir uma plataforma de investigação e desenvolvimento no campo da Agricultura Regenerativa e da Ecologia, tanto em inglês como em árabe, para promover a sua prática na Jordânia e na região. Em 5 anos vêem a ARD tornar-se um centro físico para a aprendizagem de práticas regenerativas na Região e uma prolífica plataforma online.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: ARD Agriculture and Research Development

Informação sobre o projeto

Biocenosis

Amatlán de Quetzalcóatl, Tepoztlán, México, é uma cidade indígena com uma importante tradição de plantação de milho e cultura milpa.

Os modelos agrícolas convencionais e a utilização de fertilizantes e pesticidas sintéticos levaram à erosão do solo e diminuíram a sua fertilidade. O índice pluviométrico também está a mudar.

Com base nas consequências económicas e sociais da pandemia da covid19, a Biocenosis decidiu propor um modelo de resiliência local face às crises globais através do trabalho coletivo da agricultura regenerativa.

Utilizando sistemas agroflorestais sucessionais, cinco membros do projeto e três agricultores de Tepoztlán começaram a plantar culturas de agricultura pluvial de forma a criar um modelo produtivo sustentável adaptado ao contexto local.

Com esta iniciativa, esperamos demonstrar a viabilidade social, ecológica e económica deste tipo de projetos, formar pelo menos 100 pessoas anualmente e ajudar a transformar a realidade dos agricultores envolvidos na micro-região de Cuauhnáhuac e na biorregião.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Biocenosis

Informação sobre o projeto

Chikukwa Research Trust

O Chikukwa Research Trust é uma pequena e empenhada equipa de investigadores-praticantes comunitários (agricultores).

Planeiam estabelecer um programa de resiliência climática, com agroecologia para estabilizar paisagens e meios de subsistência mais firmemente enraizados na restauração da diversidade bio-cultural.

Chikukwa é uma sociedade cultural, e a comunidade de permacultura mais antiga do Zimbabué. Mas grande parte tem sido erodida através da migração interna e externa, e da desconexão da geração mais jovem a esta história rica.

O Research Trust irá documentar as suas ligações com as plantas e os seus locais durante as experiências coletivas e a narração de histórias, bem como partilhá-las durante as interações com duas escolas, e no seu edifício de palha aberto.

Ao aproveitarem as memórias da liderança tradicional e dos mais velhos para uma aprendizagem partilhada sobre o ritual e a resiliência, visam fomentar uma liderança mais responsável em que as pessoas possam confiar, o que também construirá resiliência à divisão e às ameaças externas, incluindo a variabilidade e a mudança climática.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Chikukwa Research Trust

Informação sobre o projeto

EcoAtivo

Beira Interior, região centro de Portugal – uma área com muito valor pelo seu património geológico e intimamente ligada à biodiversidade e às comunidades locais – o elevado nível de degradação ambiental é evidente: minas de tungsténio abandonadas e planos para novas minas de lítio; uma sociedade desconectada e juventude ausente; monoculturas de pinheiros e eucaliptos; incêndios florestais extremos; e aldeias desertas.

Partindo de uma urgente pressão ambiental, EcoAtivo abraça todas as dimensões da sociedade, interagindo com residentes locais, rurais e urbanos – especialmente jovens e jovens adultos.

EcoAtivo propõe um programa de estilo de vida regenerativo para toda a vida, focado em:
1. Formação em Estilo de Vida Regenerativo, incluindo:
– Pensamento crítico para minas novas e abandonadas e mercadorias mineralizadas.
– A economia circular e o poder da moeda local
– Teatro, cinema, e música para a defesa do ambiente.

2. Ações experimentais sócio-ambientais, incluindo:
– Conservação holística de morcegos em minas antigas e ruínas abandonadas
– Jardinagem de guerrilha não violenta; combate às bombas de sementes e aos cortes de madeira

3. Rede de trabalho entre projetos regenerativos da web-of-life, incluindo:
– Redes conscientes para o intercâmbio de boas práticas e apoio mútuo
– Co-criar uma nova narrativa e uma consciência coletiva com ações de cooperação.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: EcoAtivo

Informação sobre o projeto

MURAAL

O MURAAL baseia-se no reconhecimento de que a regeneração é definida a partir de uma posicionalidade de “brancura”, um sistema de pensamento e comportamento que resulta de traumas e adaptações traumáticas emergentes das histórias e comportamentos corporativos que perpetuaram o colonialismo e os seus legados.

As ideias sobre o que é bom na alimentação, saúde, vida e outros indicadores objetivadores não são neutras, mas sim ligadas a essa história, associadas a normas que, ao longo do tempo, têm conferido formas de “poder e privilégio”. É identificado pelos europeus de corpo branco, mas está globalizado e habita a maioria dos corpos no mundo moderno, submetendo-nos todos a ele de formas que se manifestam de maneira diferente devido ao impacto das iniquidades interseccionais. Trazemos histórias complexas de trauma.

O projeto oferecerá aprendizagem para que cada pessoa desenvolva a sua própria prática (e coletiva) de trabalho, reconhecendo que a experiência de corpos com diferentes impactos desencadeia em relação ao seu próprio entrelaçamento único nesta história coletiva, e às características locais da mesma.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: MURAAL

Informação sobre o projeto

  • English

Permayouth Kitgum

A Permayouth Kitgum é uma organização comunitária que tem como objetivo capacitar jovens vulneráveis e em risco na comunidade pós insurgente de Kitgum, no norte do Uganda, através de formações de permacultura e pró-ativismo.

A permacultura necessita de formações personalizadas e o projeto de empoderamento das comunidades vulneráveis foi fruto da experiência de uma crescente insegurança alimentar, comunidades assoladas pela pobreza, com ambiente degradado, solos e potencial juvenil inexplorado para regenerar, reconstruir e transformar enquanto se recupera de uma insurgência de duas décadas.

Através deste projecto, a permayouth kitgum organiza mensalmente formações práticas de permacultura completa para os jovens em risco e vulneráveis das várias comunidades e, após o programa, eles são empoderados com sementes e ferramentas e outros kits para se aventurarem nas suas iniciativas de auto-ajuda, e outros juntam-se ao programa de aprendizagem de ensino.

No último ano, a permayouth kitgum formou mais de 300 jovens em permacultura prática que, juntos como uma equipa, implementamos vários projectos de construção de comunidades para enfrentar a insegurança alimentar, a pobreza, os desafios ambientais e climáticos. Formámos famílias em jardinagem de cozinha, instalámos 150 hortas e plantámos mais de 500 árvores de fruto no nosso empenho para erradicar inseguranças alimentares na comunidade.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Permayouth Kitgum

Informação sobre o projeto

Ramaviva

Ramaviva é um sistema de permacultura em desenvolvimento em Las Catalinas, na cordilheira de Guaniguanico, Cuba. Iniciado como um sistema de demonstração de permacultura, a ideia prevista evoluiu para um centro de formação e desenvolvimento comunitário, seguindo um processo de exploração e familiarização com o local e a sua população ao longo dos anos.

Ramaviva ajudará a regenerar processos sócio-ecológicos e a criar uma economia com base na qualidade de vida, com soluções que se baseiem no contexto local e se desenvolvam através de processos participativos, face aos problemas reconhecidos pelos residentes locais.

O espaço é já um local de conservação e reprodução de uma espécie de peixe nativo em perigo de extinção, que foi a base do abastecimento alimentar local.

É já uma estação de trabalho para estudantes universitários, e um espaço para workshops contínuos sobre elementos de permacultura como a bioconstrução para os locais e convidados.

Formaram as redes necessárias de colaboração e capacitação para solidificar a ideia. Em 5 anos já se vêem estabelecidos como um centro de formação e educação no seio da comunidade e em todo o país.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Ramaviva

Informação sobre o projeto

RE-PEAT

Les tourbières sont les principaux réservoirs de carbone ; leur dégradation entraîne donc de grandes quantités d’émissions de carbone (5% des émissions mondiales causées par les êtres humains). Mais ce n’est pas la seule caractéristique qui fait des tourbières un milieu si spécial.

RE-PEAT est un projet dirigé par des jeunes, qui estime que la question des tourbières doit faire partie intégrante dans les conversations écologiques et climatiques. Le groupe a constaté qu’ouvrir le dialogue au sujet des tourbières peut déboucher sur d’autres points de vue très intéressants sur d’autres sujets liés, comme la justice sociale, l’économie, la langue et l’histoire.

Son travail, mené à travers l’Europe, suit 3 axes principaux : éducation, collaboration et réimagination.

“Pour ce faire, le groupe mène notamment les actions suivantes : développement d’un programme d’éducation primaire pour sensibiliser dès le plus jeune âge, sous forme de projet pilote en Irlande, à développer idéalement dans bien d’autres écoles cette année ; collecte de représentations personnelles et artistiques des tourbières à travers l’Europe sous forme d’anthologie (EU Peat Anthology), avant que soit décidée la Politique agricole commune du Parlement européen ; organisation de deux festivals internationaux de 24 heures consacrés aux tourbières, qui à eux deux ont inclus plus de 80 conférences et débats en ligne ; création de webinars en 10 parties consacrés aux tourbières au Royaume-Uni, pour développer un élan en amont de la COP26 et du WCSS22 à Glasgow.

Au cours des 5 prochaines années, le groupe espère construire un réseau international de jeunes en faveur des tourbières, qui lutterait pour des politiques plus fermes en ce qui concerne les tourbières, et pour amplifier les voix sous-représentées.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: RE-PEAT

Informação sobre o projeto

Regen X

Regen X considera a forma mais rápida e eficaz de travar e mesmo inverter a crise planetária como conservação e recriação da natureza selvagem através do conhecimento profundo e local, ecológico.

O seu objetivo é construir uma resiliência eco-sistémica através de economias comunitárias sustentáveis e regenerativas em terras que estão sob a ameaça da concretização.

A resposta de Regen X é um esquema centrado na eco-arquitectura, cooperativas de serviços e regeneração de ecossistemas como uma forma alternativa e viável de desenvolvimento imobiliário para terras privadas dentro de ecossistemas frágeis em todo o mundo.

No seu modelo proposto, dão prioridade a deixar 40-60% da terra selvagem através de alianças com comunidades indígenas e peritos ecológicos. No restante, criarão um habitat humano combinando arquitectura vernacular, infra-estruturas baseadas na natureza e tecnologia para apoiar a auto-suficiência.

Estes sistemas vivos serão propriedade coletiva das comunidades locais que vivem na área há gerações, e de pessoas de fora que possam aderir através do consentimento completo e informado da comunidade. Este modelo baseado na administração não protege apenas a ecologia: reconstrói um sentimento de confiança e de propriedade entre os depositários tradicionais.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: Regen X

Informação sobre o projeto

The Marginalized Mirror

Os The Margginalized Mirror irão proporcionar a partilha de conhecimentos em torno de investimentos responsáveis na agricultura e sistemas alimentares para que as comunidades marginalizadas de Ovazemba na Namíbia produzam os seus próprios alimentos orgânicos através da agricultura regenerativa para resiliência à instabilidade climática.

O impacto atual e futuro da COVID-19 na comunidade indígena Ovazemba, agravado pela dura realidade da crise económica nacional da Namíbia, movimentos restritos, e secas recorrentes, é imensurável.

A comunidade depende da produção de culturas e gado. As secas resultaram na perda de fontes de produtos lácteos e de culturas tradicionais que são normalmente plantadas durante a estação chuvosa.

Com o movimento restrito de pessoas devido aos regulamentos da COVID-19, os pastores não conseguem encaminhar o gado para países vizinhos com mais chuva, como Angola, para melhores pastagens.

O projeto vai proporcionar formação sobre produção de culturas sob um sistema de irrigação para produzir alimentos e forragens para humanos e produção animal, bem como vender os excedentes para a geração de rendimentos. O objetivo é apoiar um projeto de irrigação de base comunitária gerido por membros da comunidade indígena Ovazemba que irá gerir o projeto de forma sustentável para si próprios e para as gerações futuras.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: The Marginalized Mirror

Informação sobre o projeto

TTHANKS

TTHANKS tem como objetivo converter as terras aráveis da Coreia do Sul em terras agrícolas otimizadas para a captura de carbono e para enfrentar as alterações climáticas.

O Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) sugeriu que a agricultura pode capturar mais carbono, para ajudar a superar a crise climática. A equipa da TTHANKS tem praticado métodos agrícolas naturais durante quatro anos, e visitou agricultores naturais por todo o país.

A sua campanha ‘CarbonCatching Weekend Farm’ ensina a relação entre as alterações climáticas e o solo, utilizando composto saudável, e ao criar plantações do tipo jardim para misturar as culturas em relações simbióticas, com agricultura sem lavoura e sem retirar ervas daninhas.

Empresas e organizações patrocinam os funcionários a participar ao lado dos cidadãos, para experienciar a agricultura e ver as recompensas das culturas saudáveis.

TTHANKS tem também apoiado a educação e experiências agrícolas para jovens, que cultivam aos fins-de-semana, bem como a venda de produtos agrícolas de agricultores naturais. Em 2021, o seu número de explorações agrícolas irá aumentar para cerca de 10 em todo o país.

  • 2021
  • Intentional Projects
Photo: TTHANKS

Informação sobre o projeto

  • Korean
  • https://tthanks.net/
  • Pangyoyeok-ro 192beon-gil, Bundang-gu, Seongnam-si, Gyeonggi-do 13524 South Korea